Skip to content

Quando é a hora certa de fazer uma grande mudança?

 

Em 2007 surgiu uma grande oportunidade na minha vida: uma mudança de cidade. Pela primeira vez, iria sair da casa de minha mãe e fui morar sozinha em Natal, Rio Grande do Norte, por 3 anos – transferência da empresa onde trabalhava. Foram tempos maravilhosos onde pude aprender como é pagar aluguel e as contas, lavar minha própria roupa e colocar comida na mesa. E pela primeira vez também, senti o gosto da independência, da responsabilidade de cuidar de mim mesma e sem saber, dava início do autoconhecimento.

Quando o período terminou, eu não queria voltar à São Paulo, mas sim realizar um grande sonho na minha vida: morar no exterior. Pesquisado, planejado e decidido, lá estava indo eu em direção à Nova York para estudar e trabalhar. Cinco anos se passaram e aqui estou devolta na terra da garoa, feliz da vida, comendo tudo de gostoso, curtindo o carinho da família e a atenção dos amigos e já pesquisando aonde vou estar daqui a pouco.

Mas será que essa impermanência faz com que exista por trás um sentimento de inconstância e falta de raízes? Como saber quando é a hora certa de mudar?

Tudo começa se você está ou não feliz

Antes mesmo de receber a proposta de mudar de cidade, eu já procurava um apartamento pra morar no centro de São Paulo. De uma forma ou de outra, iria acontecer uma mudança. O fato é que naquela época, eu já me encontrava infeliz na rotina da qual estava inserida: muito trânsito pra ir ao trabalho e voltar pra casa, vivia estressada, impaciente, sentia inúmeras frustrações e havia chegado em uma idade que clamava em sair do ninho e ter minha própria autonomia, sem ter que dizer pra ninguém onde eu vou nem que horas vou chegar.

É como um copo cheio d´agua que de gota em gota, transborda. E quando transborda, ai de quem estiver por perto, incluindo você. Se você optar em permanecer na infelicidade, em resistir o chamado para desbravar o novo, o corpo encontra uma maneira de mostrar que você está indo contra você. São as chamadas doenças psicossomáticas que se apresentam em forma de insônia, dor de estômago, enxaqueca, batimentos cardíacos acelerados, dores musculares e tantos outros perrengues.

Esses sintomas geralmente acontecem porque você está fazendo alguma coisa contra a sua vontade e o estresse e a ansiedade aumentam a atividade nervosa do cérebro, além de elevar os níveis de hormônios no sangue, como adrenalina e cortisol. Muitos órgãos do corpo, como intestinos, estômago, músculos, pele e coração têm ligação direta com o cérebro, e são os mais afetados por estas alterações.

Você pode até se enganar ou “empurrar com a barriga”, mas mais cedo ou mais tarde, a conta vêm. E aí você deve se perguntar: será que vale a pena viver dessa maneira, de idas ao médico para tratar a superfície? Ou será que eu devo ouvir essa voz que está gritando para eu tomar uma atitude que me faça feliz?

O primeiro passo

Esse é sempre o mais difícil. Sim, dá medo. Um medão, eu diria. Você vai se perguntar todos os dias se está fazendo a coisa certa, se não é melhor ficar, se não vai se arrepender depois… e se você ficar doente? E se perder o emprego? E se perder tudo? E se? E se? E se? A mente vai jogar inúmeras imagens catastróficas e algumas pessoas mais próximas poderão até insinuar de que é melhor ficar por aqui mesmo, perto delas.

Mas quando a semente da probabilidade é jogado no terreno fértil e a vontade de viver uma realidade diferente do que você já está acostumado é vislumbrada, não existe nada que faça você voltar atrás. Dia após dia, sua alma desperta no seu íntimo, uma vontade que começa pequenininha e com o passar do tempo, vai aumentando. Você vai começar a perceber que não existe sentido em viver uma vida medíocre onde tudo é igual, monótono e chato.

Tomar a decisão de ir para o desconhecido ou mudar para algo novo requer coragem, mas se você tiver algo que eu chamo de fé, acreditar que você merece tudo de bom e que a vida está aí todinha pra você desfrutar, será libertador. Quando você dá o primeiro passo, verá que o segundo, o terceiro, o quarto em diante não é tãaaao complicado assim e descobrirá que mudanças, chegadas e partidas fazem parte da existência de cada um.

Tudo o que você precisa é isso: vontade, decisão, planejamento e ação. O resto virá por consequência.

Porque ficar? Porque não ir?

Fugir, sair correndo, ir embora. Quem tem asas dificilmente fica em um lugar por muito tempo. Eu não me vejo trabalhando em uma empresa até me aposentar, 5 anos em uma função é o meu limite. Quero me casar, mas a outra pessoa também precisa ter alma de pássaro e me acompanhar nas aventuras, caso contrário, estou feliz em meu voo solo. Sair da minha cidade natal será sempre uma constante, não porque não gosto da cidade, mas sim porque eu tenho necessidade de mudanças. Tem tantas coisas para serem descobertas lá fora! porque ficar em um lugar se eu posso e quero ver mais?

Já fui inconstante quando mais nova, já deixei levar-me pela vida, pelo vento, pelas opiniões alheias, já fui “de lua”. Hoje peso os prós e contras e aprendi a ser firme nas minhas decisões, a não ter mais dúvidas. Confio. Confio em mim e no universo, nas lições que o autoconhecimento e autoexílio trouxeram e nessas, descobri quem eu sou e o que eu vim fazer nesse mundo. Aprendi a não mais criar mais expectativas, sei que o mundo não é cor de rosa. Haverão percalços e estou consciente dos riscos. Mas nada me impede de ir lá ver com meus próprios olhos e não me contentar com as fotos dos livros e revistas de viagens. Eu tenho sede de viver.

Descobri nesses anos todos que minhas raízes não precisam estar fincadas em algum lugar, elas estão em mim. Não vou me desprogramar dos meus valores, esquecer os amigos de infância, de deixar de cuidar da minha família, esquecer de quem fui e principalmente de onde vim. Saiba que é possível ir pra bem longe levando consigo as lembranças de quem você foi um dia e as pessoas que você ama no coração.

É como uma frase que lí: criar raízes pode te impedir de viver o que deseja viver. Não tenha medo. Se estiver feliz onde está, fique. Se você tem essa vontade de ir, vá. Decida, planeje, meça os prós e contras e vá. Pode ser que você também tenha alma de pássaro e não saiba, por isso o autoconhecimento é importante. Pode ser também que essas cordas que prendem suas asas sejam ilusórias. Só você tem o poder de romper essas amarras, de sair da gaiola de ouro que você mesmo construiu e partir, pra bem longe, pra onde quer que seja. E esteja ciente de que nem tudo pode não acontecer conforme você planejou. Mas calma, não se desespere! Tenha sempre em mente que a vida sempre trará novas oportunidades e recursos pra começar tudo de novo.

Termino o artigo com um dos meus poemas favoritos de Charles Bukowski:

Se vai tentar 
siga em frente.
Senão, nem começe!
Isso pode significar perder namoradas
esposas, família, trabalho…e talvez a cabeça.

Pode significar ficar sem comer por dias,
Pode significar congelar em um parque,
Pode significar cadeia,
Pode significar caçoadas, desolação…

A desolação é o presente
O resto é uma prova de sua paciência,
do quanto realmente quis fazer
E farei, apesar do menosprezo
E será melhor que qualquer coisa que possa imaginar.

Se vai tentar,
Vá em frente.
Não há outro sentimento como este
Ficará sozinho com os Deuses
E as noites serão quentes
Levará a vida com um sorriso perfeito
É a única coisa que vale a pena.

Charles Bukowski, Factotum.

E você, houve algum momento em que precisou partir? E como foi seu retorno ao lar? Ou será essa a sua primeira vez que irá voar? Deixe seu comentário e não deixe de seguir as redes sociais!

E se você tiver o sonho de ir pros Estados Unidos pra estudar ou trabalhar, clique aqui para conhecer um info produto que poderá ajuda-lo nessa empreitada.

Um super beijo e até a próxima!

Amina

 

Crédito imagem: Freepik

<a href=”http://www.freepik.com/free-photo/background-flight-nature-show-squadron_1096222.htm”>Designed by Freepik</a>

8 Comments

  1. Bianca Bianca

    Adorei o artigo!! Inspirador!

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Obrigada pela visita Bianca! Beijos!

  2. Jeiele Jeiele

    Seu artigo me fez lembrar um ditado: ” quem não arrisca nada arrisca tudo” ! Admiro muito quem corre atrás dos seus sonhos e não se permitem ficarem presas a nada e ninguém… como você escreveu, vem o medo, mas a coragem de viver é maior que ele! Pessoas assim conquistam o mundo e terão sucesso onde quer que estejam. Ótimo texto, parabéns e muito sucesso !

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Olá Jeiele!

      Não é fácil, nós nos acomodamos com a rotina e tentamos nos enganar, mas a alma clama por aventuras! Feliz daquele que tem coragem de seguir a voz do coração.

      Agradeço o comentário e a visita! Até a próxima! <3

      Amina

  3. Oi, Amina!
    Adorei o tema escolhido.
    Sair do ninho que cultivamos não é uma tarefa nada fácil, mas quando chega o momento da partida, ficar acaba se tornando a parte mais difícil. Daí não tem como mais escapar com desculpas e autossabotagens …no fundo vc sabe que se ficar será sua derrocada e segue o caminho destemidamente, seja onde for e com quem for, ou até mesmo sozinha, não importa, o melhor disso tudo é ter aquele sentimento de que está na trilha certa e que ao chegar ao seu destino você terá a certeza de que fez a melhor escolha! Bjs!

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Olá Denise!
      Exatamente, esse sentimento de estar na trilha certa é a melhor sensação que alguém pode ter!
      Obrigada pelo comentário e visita, até a próxima!
      Amina

  4. Olá Amina,

    Um belo texto,sincero,franco,genuíno…temos poucas certezas nesta vida, mas uma delas é que é necessário mudar e que a evolução depende dessas mudanças….

    Um beijo e muitas vibrações positivas

    Monica

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Oi Mônica!

      Obrigada pelo feedback e pelo carinho!
      Estou feliz em estar de volta na minha cidade e meu maior objetivo é incentivar as pessoas a seguir o coração e seus sonhos! Espero conseguir realizar meu intuito <3

      Um super beijo!
      Amina

Leave a Reply