Skip to content

8 exercícios para treinar a paciência – a #6 é a mais difícil

 

Quem já não escutou ou já falou em voz alta: “Ah se vendessem paciência em farmácia…”ou “Ah se eu tivesse paciência…” ou “Não tenho nenhuma paciência com isso!”, dito com bastante irritação?

Não é nada fácil ser uma pessoa paciente, ainda mais nos dias atuais onde tudo é “pra ontem’.

As pessoas de um modo geral, tendem a se irritar quando as coisas não vão na velocidade ou do jeito que elas gostariam, transformando assim não só a própria vida como a das pessoas ao redor em stress e sofrimento.

Quando estamos impacientes, se alguém nos faz uma pergunta por mais simples que seja, respondemos com raiva, com ódio e rancor. Colocamos na voz ou nos gestos, toda a nossa frustração com alguém que não tem nada à ver com a circunstância, gerando conflitos e mágoa.

O problema vai virando uma bola de neve. O impaciente, além de ferir outras pessoas, fere a si mesmo, pois sua voz interna é de cobrança, de pressa e irritação.

A boa notícia é que a paciência é uma virtude que pode ser adquirida através exercícios diários! 😀

Vamos ver quais seriam os exercícios que podemos praticar em nome do nosso equilíbrio emocional?

São eles:

#1 – Não faça nada

Duvido você conseguir sentar-se em um lugar silencioso sem ligar a televisão, sem escutar música, sem ler – Não fazer absolutamente nada, por alguns minutos.

De início, pode ser difícil e até causar impaciência ou tédio. Mas pare pra pensar: em uma sociedade que exige que ocupemos nosso tempo com inúmeras tarefas e compromissos, estudos e trabalho, alguma vez você já se permitiu não fazer nada?

Saiba que este intervalo faz com que as coisas desacelerem e isso contribui para o desenvolvimento da mentalidade que permite que a pessoa seja mais tranquila.

Aceite que o mundo não mudará de acordo com sua vontade.

Claro que todos seriam mais pacientes se bebês não chorassem, se computadores não parassem de funcionar, se o trânsito fosse fluído e pessoas não cometessem erros; porém, nada disto vai acontecer. O melhor que se tem a fazer, é aceitar.

#2 – Respire consciente

Considere a respiração consciente como uma pílula de resultado imediato.

Ao respirar dessa maneira, repetindo o processo no mínimo 3 vezes, aprende-se a relaxar sempre que uma sensação de urgência aparece.

Respire puxando o ar pela barriga, segure alguns segundos e solte devagar, pela boca.

Se praticar esse exercício, logo vai notar que uma lacuna se formou entre um pensamento e outro e são esses espaços que faz com que você se torne uma pessoa calma.

#3 – Procure por pessoas equilibradas

 

Segundo a professora Lúcia Helena Galvão:

“A consciência nasce no contraste. Valorizamos as coisas quando estamos pra perde-las, como o sentido da vida diante da morte. Até mesmo no sentido sensorial: percebemos uma cor quando existe contraste, quando termina uma cor, começa outra. Se o universo inteiro fosse de uma cor só, não o perceberíamos. Assim também com o som e o silêncio, caos e paz.”

Se você vive nervoso ou irritado por qualquer motivo, procure ter no seu círculo de contatos, pelo menos uma pessoa que você considera equilibrada e a convide para tomar um café, dar uma volta, conversar sobre a vida.

Trocar idéias com pessoas otimistas, calmas e perseverantes também contribuem enormemente com o nosso repertório porque nos mostra uma perspectiva diferente das coisas.

Sempre saímos recarregados depois de um encontro com esses seres… Voltamos pra casa mais inspirados, com vontade de fazer algo de bom por si mesmo, de ser uma pessoa melhor.

E pode notar: grandes líderes são calmos. Todo líder sabe que é preciso ter paciência para lidar com as vicissitudes da vida e com todos os tipos de pessoas, em seus diversos momentos.

Responder a alguém de forma colérica não é sinônimo de boa liderança, pelo contrário, é um sinal de antiprofissionalismo e problemas pessoais que precisam ser avaliados com um terapeuta.

#4 – Faça arte

Amina
“A profusão da mente expandida” (marker on paper, 22.8 x 30.4) por Amina Mafer

Pegue um pedaço de papel, faça uns rabiscos. Desconte sua raiva na pressão entre a caneta e o papel.

Pegue canetinhas. Lápis de cor. Que tal pintar um livro de colorir?

Melhor ainda: na hora da impaciência, do stress ou da raiva, abra um pote de tinta (guache, que é fácil de limpar) e jogue com tudo numa folha em branco.

Ao fazer arte estamos lidando com o nosso lado criativo, sensível. Damos voz à nossa alma. Temas espirituais, artísticos e elevados podem nos nutrir e apaziguar. Podemos cultivar uma visão mais ampla e amorosa das situações e da vida.

Sugestão de site: O que significam aqueles rabiscos que fazemos inconscientemente?

#5 – Escute um álbum musical do início ao fim

De preferência, uma banda ou cantor de outro país, um gênero jamais escutado antes (jazz, flamenco, ópera) ou um cantor ou cantora de um passado não muito distante.

Regras: 

  • Não pode pular de música
  • Tire pelo menos meia hora em algum dia da semana e sente-se numa poltrona confortável com fones de ouvido.
  • Feche os olhos e tente imergir no universo que os músicos criaram e sinta a experiência.

Sugestões: 

#6 – Escute alguém falar, sem você interromper, por pelo menos 10 minutos

  • Nível básico: Peça para um idoso/uma idosa contar uma história.
  • Nível intermediário: Converse com alguém sobre um estilo musical que você não gosta.
  • Nível avançado: Converse com alguém que tenha pensamentos contrários aos seus (religião, ideologias, visão política)

Apenas escute-o, sem interromper. E quando a pessoa terminar de falar, agradeça a experiência de ouvir um outro ponto de vista completamente diferente do seu.

Regras: 

  • Não pode tentar convence-lo a mudar de idéia e tão pouco impor as suas convicções. A proposta é apenas ouvir, sem retrucar, sem pensar em responder.
  • Sempre que possível, continue o exercício em outras oportunidades. Viajar e conversar com o povo local, é uma excelente alternativa.
  • Não tome partido, não tire conclusões, não rotule. Apenas escute. Veja que existem milhares de pessoas com diversos tipos de enxergar a vida, a sua visão não é a única. Como dizia Raul Seixas: “Cada ser humano é um universo”. Tendo isso em mente, fica mais fácil escutar outros tipo de crenças.
  • Caso a pessoa esteja aberta para ouvir seu modo de pensar, exponha suas idéias e inicie um diálogo, apresente seu pensamento de uma maneira calma e tranquila, afinal de contas, não há necessidade de ficar nervoso em expor o que pensa, não é mesmo? 
  • Se ainda não for possível (se não conseguir conter a emoção de raiva, indignação, impaciência ou cólera), volte no exercício n.2 e guarde suas idéias pra você.

É eu sei, não é fácil. É um exercício que requer bastante da boa vontade. Por isso é que quanto mais praticado, mais tolerante você vai ficar.

Sugestões para esse exercício delicado:

  • Estude filosofia: Antigamente, os filósofos se encontravam em praças públicas para conversar, trocar idéias. Infelizmente esse hábito foi se tornando extinto e hoje em dia o que vemos no Brasil, são praças públicas abandonadas e pessoas impondo suas idéias sobre as outras, a ponto de cortar vínculos ou até mesmo se matarem. Estudar filosofia é um meio espetacular de articular suas idéias e respeitar as do próximo, além de praticar o amor pela sabedoria.
  • Nos EUA, existe um tratamento chamado “anger-management” (deve ter algo parecido no Brasil também, imagino). Trata-se de programa psico-terapêutico para prevenção e controle de raiva. A raiva é freqüentemente resultado da frustração, ou de sentir-se bloqueado ou frustrado por algo que consideramos importante. A raiva também pode ser uma resposta defensiva ao medo contido, sentimentos de vulnerabilidade ou impotência.
  • Paciência não quer dizer “engolidor de sapos” – saiba identificar o que é um simples ponto de vista e quando ultrapassam os limites, respondendo com firmeza, mas sem violência.

“Com a Paciência, vem junto com ela a Perseverança – eu erro, eu falho, eu tento outra vez. Cada erro nos coloca mais próximos do acerto.

Então não reclamamos dos erros e das falhas, mas aprendemos, corrigimos e caminhamos.

Se eu não tenho paciência, reagimos à raiva com raiva, à violência, com violência.

E a transformação é isso: Se vier violência, eu inspiro, expiro e tenho uma resposta forte, enérgica, mas sem ódio, sem raiva, sem rancor e sem violência. 

A paciência é um treinamento do nosso próprio ser.”

Monja Coen

#7 – Observe a natureza

Paciência
Essa é a Giselle, uma das árvores que mais gosto de apreciar na minha rua.

Plante uma semente (ou adote) uma árvore, flor, planta ou vegetal e acompanhe o seu crescimento, dia após dia.

Regras:

  • Se for uma planta, dê-lhe um nome (pra criar vínculo) e vá observando o seu desenvolvimento.
  • Perceba que, para ela crescer, é preciso passar por certas etapas.
  • As etapas constituem em: plantar, regar, ver crescer e morrer.
  • Arranjos de flores são os melhores para ir direto para a última etapa, já que as flores tem uma vida breve.

É através da natureza que observamos que nada é fixo e nada é permanente. Que tal direcionar seu amor à essa plantinha/florzinha ou árvore e ver como ela responde à sua energia?

Perceba que não existe um relógio e um calendário marcando e cobrando o florecimento das flores. Tudo isso são invenções humanas para que pudéssemos cumprir nossas tarefas.

Para o Taoísmo e para várias filosofias de outras civilizações, ser sábio é seguir as leis da Natureza, pois o ser humano é fruto dela. Ao contemplar a Natureza com reverência e entrar em sintonia com ela, podemos atingir o equilíbrio físico, mental e espiritual.

Livro: A sabedoria da Natureza: Taoísmo, I Ching, Zen e os ensinamentos essenios

Sugestão de artigo: As árvores conversam entre si

#8 – Aprender a soltar

entrego

“Soltar não é deixar correr ou não fazer nada. É justamente o contrário. O conceito de ação através da não-ação precisa ser muito bem meditado para ser entendido. Já que esse conceito é um sentimento. Intelectualmente pode se pensar que é não fazer nada e esse é o perigo da inação. O soltar é interno, é um desapego interno, filosófico, existencial. É uma visão de mundo completamente antagônica ao apegar-se ao mundo. É estar no mundo, mas não ser do mundo.

Quando forçamos um cliente a comprar o produto, quando fazemos mais dívidas para pagar outras dívidas, quando queremos que um negócio dê certo de qualquer forma, sem considerar todas as variáveis envolvidas no negócio. O ter que ganhar, ter que vender, ter que dar certo, ter que conquistar, ter de vencer, etc. é o que causa todo o problema. Nunca se pode por pressão em nada. Simplesmente não funciona. Quanto mais pressão menor o resultado.

Toda a realidade pode mudar apenas dependendo de pequenas decisões de cada pessoa de soltar os resultados. Não se apegar. Se o resultado são 10 ótimo, se são 100 ótimo. Está bom de qualquer forma. Quando se sente assim sempre o resultado será o melhor possível. Quando se quer forçar que seja 100 os problemas aparecerão inevitavelmente. É preciso deixar fluir e entrar no fluxo. O rio corre para o mar. Não é preciso preocupar-se com isso. Um bom dia dado com alegria e boa vontade tem um efeito multiplicador enorme. É um simples gesto que muda uma pessoa, que mudará outra, que mudará outra e assim sucessivamente”.

Fonte: Blog do professor Hélio Couto

A melhor maneira de desapegar-se e não entrar na ansiedade é sair para se divertir, assistir comédias, tirar a mente do problema – tirar o foco da situação.

Querer manipular é a pressa, pressionar, forçar, o “quer porque quer”, etc, tudo isso dará em resultados negativos.

Apenas faça sua parte, da melhor maneira possível, entregue ao universo e confie.

 

Concluindo:

Você ficaria surpreso/a em constatar como a serenidade, a tranquilidade e o equilíbrio podem impactar imensamente sua qualidade de vida, fazendo com que você sinta calmo nas horas críticas da existência.

Lembre-se de que a paciência é uma habilidade mental que nunca será esquecida, portanto, considere-a como um passo importantíssimo da evolução pessoal.

Praticamente tudo na vida exige tempo e dedicação e estando calmos, fica mais fácil trilhar o caminho e ultrapassar as dificuldades que aparecem.

A vida não é competição, não é correria. É usufruir cada momento, principalmente a compania daqueles que estão ao nosso lado.

Cada vez que vier uma situação em que exige sua paciência, lembre-se: é um exercício! A vida vai mandar as mesmas situações até você aprender a ultrapassa-las de uma maneira inteligente.

Esteja ciente que existe o inesperado. Sim, você fez planos, mas nem sempre as coisas transcorrem como o planejado. Aceite as viradas da vida sem reclamar e tenha expectativas realistas. Isto não vale apenas para as circunstâncias, mas também pelo comportamento das pessoas à sua volta.

 

“A paz vem de dentro de você mesmo. Não a procure à sua volta.” ― Buda

 

Não deixe de seguir a página no Facebook e Instagram!

Beijos transcendentais e até a próxima!

Amina Mafer

Fontes:

http://pt.wikihow.com/Ser-Paciente

http://somostodosum.ig.com.br/artigos/espiritualidade/ter-paciencia-nao-significa-engolir-sapos-4587.html

 

4 Comments

  1. Que maravilha Deise querida! Fico muito feliz que esteja difundindo esse trabalho lindo!
    A paciência realmente tem que ser praticada, mas às vezes até pra isso é preciso paciência 😉
    Quando não a encontramos podemos pedir uma ajuda pro plano divino. Qq ajuda em oração,Potencializa toda boa intensão.
    Um grande abraço de luz!
    Flor

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Olá Flor, obrigada pela mensagem e pela visita!

      E que possamos cada vez mais sermos paciente consigo mesmos e consequentemente com os irmãos à nossa volta.

      Um super beijo,
      Amina

  2. Olá Amina,

    Como sempre, dicas ótimas e práticas para desbloquear a mente e quebrar velhos paradigmas…parabéns!

    Muitas vibrações positivas da Mônica

    • Amina Mafer Amina Mafer

      Obrigada pela visita e pelo carinho, Mônica!

      Muitos beijos!

      Amina

Comments are closed.